O impacto dos instrumentos europeus, como o EQF e ECVET forçam as organizações de formação por toda a Europa a reprojetar os seus ambientes de aprendizagem operacionais de forma a responder a esta nova dimensão e a esses requisitos de formação. Mas a abordagem mais fácil e mais comum para lidar com esta mudança parece ser não mais do que dividir os cursos de formação anteriores mais extensos, em actividades de formação mais básicas e curtas, que são então agrupadas em percursos de formação. É como se de alguma forma pudéssemos cortar o currículo, os recursos de ensino e o tempo de aprendizagem de um curso inteiro em pequenas partes. Na verdade, essa tem sido a forma como a maioria das organizações de formação têm respondido.

Para alcançar uma resposta mais adequada e extensiva, mesmo em ambientes de formação mais tradicionais, a parceria seleccionou para este projecto um complexo contexto de formação em oficina, com actividades práticas, onde os níveis de aprendizagem serão mais diversificados mas com a formação a ocorrer em simultâneo, tornando-o um exercício mais exigente, mas também mais rentável para a (futura) exploração do projecto. O CNC – Controlo Numérico de Computador, na área de metalomecânica, é definitivamente um domínio de formação onde a modularização e a consequente individualização da aprendizagem tem um grande significado, considerando as premissas anteriores.

O projecto pretende reconstruir o ambiente de formação com layouts inovadores, readaptar os recursos didácticos e criar dispositivos de navegação ao longo dos percursos de aprendizagem para que os formandos possam usufruir de uma aprendizagem mais autónoma, desenvolver também ferramentas para registar e monitorizar o progresso (individual) dos formandos em diferentes estágios de formação, preparar os formadores para as novas posturas exigidas neste ambiente de multi-aprendizagem, solicitando atitudes bastante diferentes e exigentes das abordagens pedagógicas tradicionais.

Para desenvolver novas abordagens pedagógicas, recriar e inovar os recursos de ensino e promover a mudança das atitudes pedagógicas associadas a este complexo ambiente de formação, fundou-se uma parceria da qual fazem parte 4 Entidades de EFP, que partilham as mesmas competências técnicas e pedagógicas exigidas pelos objectivos do projecto, bem como as mesmas expectativas expressas no objectivo do projecto.

Após a definição das unidades de competência/resultados de aprendizagem que serão alvo de aplicação na posterior fase da acção-piloto, decorreu uma fase intensa de desenvolvimento em que os parceiros se entregaram a desenvolver:

  • Recursos didácticos e de avaliação convencionais e não-convencionais e funcionalidades para suportar uma aprendizagem (mais) autónoma
  • Plataforma de E-Learning, conteúdos e outros recursos educacionais abertos para desenvolver / adaptar ao ensino presencial funcionalidades já presentes no ensino à distância, e outros tipos de instrumentos para ajudar a itinerância num contexto de múltiplos trajectos de aprendizagem.
  • Ferramentas e instrumentos TIC específicos para a gestão dos formandos e do espaço de ensino num contexto oficinal de formação, múltiplo e complexo.
  • Um Guião para Professores e Formadores – novas atitudes/comportamentos pedagógicos e habilitações em ambientes de formação complexos para preparar o tutor para um papel menos centrado no processo de formação e com diferentes papéis a desempenhar: instrutor, facilitador, tutor, e-formador, formador, etc;
  • Redesenho de layouts oficinais – Recomendações para a reconstrução de um novo modelo de layout e da disposição e organização dos seus itens físicos e tecnológicos, incorporando conceitos como “ilhas de aprendizagem”, “quiosques”, etc – como hub’s dos recursos didácticos necessários para uma determinada fase de aprendizagem – integrando-os através de mapas e sinaléticas para facilitar a navegação dos formandos.

O diagrama seguinte mostra a interacção entre os factores de desenvolvimento do projecto, numa escala cronológica:

Folheto
A parceria também contou com a participação consultiva de dois Conselhos Nacionais para a Educação, Formação e Qualificação Profissional, de Portugal e da Finlândia, cuja intervenção foi particularmente importante para estudar e estabelecer as unidades de competências, baseando nos princípios do ECVET e que foram referenciais no projecto, mas também através da sua capacidade para disseminar e influenciar a concepção da oferta de formação nos países da parceria e, num contexto europeu mais alargado, através das suas redes institucionais de trabalho.

Como o projecto pretende lidar com os recursos directamente envolvidos na organização e monitorização da formação de carácter prático, apresenta condições imediatas para a sua aplicação nas entidades de EFP participantes e no domínio da formação definida nos seus objectivos – o CNC. No entanto, também tem como objectivo difundir essa experiência para outras áreas e organizações; para o efeito, serão compiladas estratégias, recursos e resultados do projecto num handbook e num kit didáctico, que serão divulgados e disponibilizados no final do projecto a outras organizações. É evidente que o projecto carrega a grande expectativa de poder ajudar a influenciar as políticas e as estratégias de formação, comprovando que é possível a inclusão de práticas formativas inovadoras e mais eficazes neste novo paradigma de ensino, desafiador e emocionante, que cada vez terá de se centrar mais nas necessidades, características e disponibilidade de aprendizagem de cada indivíduo.